UM NOVO CAPÍTULO DE UMA CONTROVÉRSIA SEM FIM: IPCA-E X TR


A, aparentemente, infindável controvérsia relacionada ao índice de correção aplicável aos créditos trabalhistas reconhecidos em juízo ganha um novo capítulo... talvez não tão novo assim.

Foi publicada, na presente data (03/03/2020), decisão monocrática de lavra do Ministro Gilmar Mendes cassando acórdão do TST que referendara a aplicação do IPCA-E em detrimento a TR, para que outro seja proferido em substituição (ARE 1.247.402). Isso porque a Corte Trabalhista tem se escorado em errônea aplicação da jurisprudência do STF, já que os julgados proferidos no Tema 810 e ADI 4.357, comumente citados, tratam de situações absolutamente distintas (condenações impostas à Fazenda Pública).

Ora, não é de hoje que alertamos que a Corte Maior ainda não abraça a denominada “Teoria da Transcendência dos Motivos Determinantes”. Em outras palavras, os fundamentos determinantes de suas decisões não são dotados de efeito vinculante, de modo que eventual declaração de inconstitucionalidade – ou constitucionalidade – circunscreve-se à norma específica objeto de apreciação.

Por sua vez, o tema não foi em momento algum enfrentado em sistemática de repercussão geral ou controle concentrado de constitucionalidade, o que somente está previsto para ocorrer no dia 14 de maio deste ano (ADCs 58 e 59 e ADI 5.867).

Dito isso, em nosso sentir, revela-se inadequada a declaração de “inconstitucionalidade por arrastamento” pelo Tribunal Pleno do TST dos dispositivos e expressões que fazem referência à TR. Aliás, esclareça-se que a "inconstitucionalidade por arrastamento" é fruto de construção jurisprudencial do STF e alude à possibilidade daquela Corte declarar inconstitucional norma DEPENDENTE ou INTERDEPENDENTE de outra já declarada inconstitucional, o que não é o caso.

Implica dizer que a Justiça do Trabalho não poderá se posicionar pela aplicação do IPCA-E (aqui, ignora-se a possível conversão da MP 905/19 em lei)? Não poderá sob o fundamento de estar seguindo a Jurisprudência do STF. Nada mais.

Claro que há outras questões que nos levam a questionar essa possibilidade, como, por exemplo, a vedação ao Poder Judiciário para substituir índice de correção monetária estabelecido em lei, atividade privativa do Poder Legislativo (princípio da separação dos poderes), conforme já se pronunciou o STJ em incidente de recurso especial repetitivo (Tema 731)[1] e, invocando-se por analogia, o próprio STF ao editar a Súmula Vinculante nº 4[2]. Esse debate, porém, fica reservado para um outro momento.

[1] Tema 731 - Tese Firmada: A remuneração das contas vinculadas ao FGTS tem disciplina própria, ditada por lei, que estabelece a TR como forma de atualização monetária, sendo vedado, portanto, ao Poder Judiciário substituir o mencionado índice.

[2] Súmula Vinculante STF nº 4: Salvo nos casos previstos na Constituição, o salário mínimo não pode ser usado como indexador de base de cálculo de vantagem de servidor público ou de empregado, nem ser substituído por decisão judicial.

Posts Em Destaque
boletim antaq

© 2018 por Advocacia Ruy de Mello Miller.