AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE ALTERAÇÕES NA NORMA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE CONTÊINERES EM INSTALAÇÕES DE USO PÚBLICO

 

O auditório da Agência Nacional de Transportes Aquaviários – ANTAQ recebeu um público significativo e disposto a trazer contribuições que permitam o aperfeiçoamento da norma que trata dos parâmetros regulatórios que precisam ser observados na prestação dos serviços de movimentação e de armazenagem alfandegada de contêineres em instalações portuárias.

 

A proposta de atualização da Resolução nº. 2.389 de 2012 nasce do movimento de centralização da Lei nº. 12.815 de 2013, transferindo a competência de regulação da taxa de movimentação (THC) da autoridade portuária para a agência reguladora e também ampliando o alcance do regulamento para abarcar os terminais de uso privado. É preciso notar que o texto da nova resolução diverge dos termos da Nota Técnica nº. 48/2015 firmada pela gerência de regulação portuária da autarquia.

 

As associações de usuários estiveram presentes, questionando a pertinência e legalidade da proposta. Foi apontado um possível conflito do conceito de “box rate” presente na norma regulamentar e o conceito legal de capatazia.  Da mesma forma, questionou-se a possibilidade de se compreender a taxa de movimentação no terminal como uma cobrança feita pela empresa de navegação à título de ressarcimento de despesas. Destacou-se a necessidade de se demonstrar tal condição, alertando para os reflexos tributários desse entendimento.

 

Por sua vez, a alteração da resolução para incorporar os terminais portuários privados levou a seus representantes expressar uma sensação de desconforto, pontuando que existem conceitualmente dois regimes jurídicos no setor portuário, o que levaria a necessidade de se ponderar sobre a extensão da competência da autarquia para regular a forma de cobrança da taxa de movimentação e congêneres pelos seus representados.

 

Os terminais retro portuários alfandegados destacaram a necessidade de enfrentamento da cobrança da taxa de movimentação sob a ótica do abuso do poder econômico e das condutas anticoncorrenciais.

 

Questionaram, igualmente, o motivo pelo qual a autarquia não segue a mesma lógica quando dispõe sobre o fluxo de importação e quando trata do fluxo de exportação de mercadorias. Sustentou-se que o “corte” da cesta de serviços até a pilha não ocorre na exportação, mesmo que seja de conhecimento geral que esse fluxo abrange um número infinitamente maior de combinações possíveis o que também poderia resultar em preços diversos.

 

Outro ponto importante abordado durante a audiência pública é o fato de se a nova resolução se dobrará as condições previstas nos contratos de transporte, especialmente, quando são estabelecidos valores fixos do navio até o portão do terminal. Mesmo com a afirmação da diretoria da ANTAQ de que o respeito às normas contratuais é um premissa contemplada pelo novo regulamento, não se observa de forma clara e expressa no texto da resolução essa hierarquia.

Concluindo a discussão, as associações dos terminais portuários destacaram a importância da autarquia se atentar para as obrigações acessórias, reivindicando a abordagem da questão da “rolagem de cargas”.

 

Todas essas questões e outras certamente surgirão no âmbito da consulta pública aberta pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários, havendo de se destacar que o prazo para as contribuições dos interessados no site da autarquia se encerra no próximo dia 26 de junho de 2018.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

REGIME EMERGENCIAL: A NECESSIDADE DE ADEQUAÇÃO DOS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

June 3, 2020

1/10
Please reload

boletim antaq

BOLETIM ANTAQ - 12ª EDIÇÃO

14.5.2020

1/10
Please reload

© 2018 por Advocacia Ruy de Mello Miller.