A PREVALÊNCIA DA COMPETÊNCIA DO JUÍZO ARBITRAL SOBRE O PODER JUDICIÁRIO NA ANÁLISE DA EXISTÊNCIA, VALIDADE E EFICÁCIA DA CLÁUSULA ARBITRAL

 

A Lei Brasileira de Arbitragem completou no último ano seu vigésimo primeiro aniversário. Porém, sua existência vintenária não é suficiente para afastar as divergências, doutrinárias e jurisprudenciais, sobre o instituto da arbitragem no Brasil.

 

No final do ano de 2017 mais um capítulo foi escrito, quando a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça concluiu o julgamento do Recurso Especial nº 1.550.260/RS, reafirmando que a competência do juízo arbitral prevalece sobre a do Poder Judiciário na análise da validade da cláusula arbitral e, portanto, de sua própria competência.

 

O recurso, interposto pelo banco estatal alemão KfW Bankengruppe em face da Eletrobras CGTEE, tratava da possibilidade de o Poder Judiciário declarar a falsidade documental dos contratos onde estavam inseridas as cláusulas arbitrais e, portanto, a existência e validade das próprias cláusulas, tendo a controvérsia surgido em razão de contratos de financiamento celebrados com o banco KfW relativos à construção de usinas termelétricas nos Estados do Paraná e Rio Grande do Sul, tendo a CGTEE figurado como garantidora.

 

Inadimplido o contrato pelas devedoras principais, a Companhia brasileira foi notificada acerca da possibilidade de execução da garantia, o que originou o ajuizamento de ação declaratória perante o Judiciário gaúcho, sob a alegação de falsidade material da firma existente no contrato. Após o entendimento do juízo de primeiro grau sobre a competência exclusiva do juízo arbitral para apreciar a questão e a reforma em sede de apelação por parte do Tribunal de Justiça local, o Superior Tribunal de Justiça reestabeleceu o entendimento originário, reafirmando a competência exclusiva do juízo arbitral para a apreciação da questão.

 

Segundo a Corte Superior, vigora na arbitragem privada o princípio do kompetenz-kompetenz, pelo qual a alegação de incompetência do juízo deve, por primazia, ser submetida a ele próprio. Tal conclusão tem por suporte o parágrafo único do artigo 8º da Lei nº 9.307/1996.

 

Não quer o julgado dizer, em absoluto, que a decisão arbitral sobre a validade da cláusula prevalecerá em qualquer hipótese. Inicialmente porque, apesar da fundamentação do julgado pela qual o princípio do kompetenz-kompetenz prestigia a autonomia da vontade das partes, é certo que o direito ao ajuizamento de ação para a anulação da sentença arbitral não pode ser objeto de renúncia prévia, conforme lição de Carlos Alberto Carmona (“Arbitragem e processo: um comentário à Lei nº 9.307/96”. 2ª ed.. São Paulo: Atlas, 2004. Págs. 337/338).

 

É necessário observar que o artigo 32 da Lei de Arbitragem é expresso ao dizer que a sentença arbitral é nula quando nula for a convenção de arbitragem.

 

Com a decisão do Superior Tribunal de Justiça, estabeleceu-se que a alegação de nulidade deverá primeiro ser submetida ao juízo arbitral, uma vez que resta afastada, a priori, a competência do Poder Judiciário. Porém, em qualquer hipótese, resta assegurado o acesso ao Poder Judiciário para discutir a nulidade da sentença arbitral que, eventualmente, não tenha reconhecido a nulidade da própria convenção. Não é permitido que tal controle, todavia, seja exercido de forma antecedente, mas somente após a prolação da sentença arbitral, conforme se deduz do artigo 33 da Lei de Arbitragem.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

POLUIÇÃO POR ÓLEO COMBUSTÍVEL EM DEBATE NO TRIBUNAL MARÍTIMO

July 6, 2020

1/10
Please reload

boletim antaq

BOLETIM ANTAQ - 12ª EDIÇÃO

14.5.2020

1/10
Please reload

© 2018 por Advocacia Ruy de Mello Miller.